Nota de repúdio de técnicos da UnB a matéria difamatória

Nota de esclarecimento e repudio à matéria difamatória e falsa divulgada no site “Ipê Brasília”, que sugere ação fraudulenta de servidoras técnicas administrativas da UnB em processo de consulta à reitoria. 

À Comunidade Acadêmica,

Prezados(as),

Em resposta à acusação veiculada no site “Ipê Brasília”, publicada no link https://www.ipebrasilia.com.br/noticia/677/sufragio-da-unb-pode-estar-sendo-fraudado, de que servidoras técnicas investidas em cargos de confiança da Universidade de Brasília estariam agindo de maneira fraudulenta no processo de consulta à reitoria da UnB, por meio da coação de estudantes indígenas, encaminhamos os esclarecimentos que se seguem e também nosso repúdio.

Como servidoras públicas concursadas, temos plena consciência das responsabilidades que acompanham o exercício de nossas funções, expressas na Lei 8.112 do serviço público e no código de ética 1171 de 1994. Qualquer desvio à conduta esperada pelo servidor público possui mecanismos próprios para apuração dos fatos, conforme rege a legislação própria, com amplo direito à defesa e contraditório. Direitos não assegurados quando da exposição pública de agentes públicos no exercício de suas funções.

Como agentes transformadores do Estado, os servidores públicos precisam ser capazes de respeitar e informar a população universitária com foco na cidadania, seguindo os princípios constitucionais, observando as diferenças e a diversidade, em diferentes contextos e sob diversos comandos.

A responsabilidade no exercício da função pública vai muito além de cargos e opções políticas internas ou externas à UnB.

Desse modo, a Coordenação Indígena, vinculada à Diretoria da Diversidade dentro do Decanato de Assuntos Comunitários tem buscado acompanhar e orientar a seu público-alvo em todos os seus aspectos, sócio assistenciais e psicopedagógico conforme prevê a Resolução CEPE 048/2013 que rege a Diretoria da Diversidade e suas coordenações.

Além de colocar em dúvida a postura e credibilidade de agentes públicos da Universidade de Brasília, as acusações veiculadas pelo site “Ipê Brasília” também compartilham de uma visão racista na relação entre o Estado e os povos indígenas, em que eles aparecem como tutelados e de fácil manipulação. Visão esta que precisa ser superada, em especial depois dos avanços alcançados com a Constituição de 1988.

O direito de votar seja ele de forma virtual ou presencial é uma conquista do povo brasileiro em especial de mulheres, indígenas, e demais setores da comunidade que por diversos motivos são ainda vistos como populações vulneráveis. Em nenhum momento a população indígena deixaria de exercer esse direito. Quem acompanhou o processo eleitoral pôde verificar o engajamento deles no processo democrático, seus posicionamentos junto aos candidatos e reivindicações para permanência da presença indígena com qualidade nesta Instituição.

Repudiamos aqueles que, com interesses escusos, lançam mão de estratégias difamatórias e manipulam informações para interferir no processo democrático.

No atual contexto histórico, em que paira sobre nossa sociedade a falta de confiança na ciência e na seriedade das universidades públicas, é lamentável que tenhamos pessoas dentro da nossa comunidade, com apoio da imprensa, que se prestam ao papel de colocar em xeque nossa idoneidade e respeito ao processo democrático.

A apropriação indevida de um diálogo por WhatsApp, fora do contexto, revela a falta de escrúpulos de alguns atores envolvidos na disputa pela reitoria. A conversa, usada para sugerir fraude por meio da coação de estudantes indígenas, referia-se à troca de informações entre técnicas-administrativas que buscavam prestar apoio aos estudantes, reproduzindo orientações gerais da própria Comissão de Organização da Consulta (COC), para garantir o exercício do direito de estudantes indígenas de aqui estar e participar de todo o processo acadêmico.

As acusações atingem, entretanto, não apenas à duas servidoras públicas e ao conjunto de estudantes indígenas, mas à Instituição, que segue firme na defesa da Universidade pública, gratuita e alinhada com seus preceitos éticos e constitucionais.

Pelos prejuízos causados à imagem das servidoras que tiveram seus nomes expostos sem direito à defesa, à idoneidade da estrutura administrativa da Universidade e seu processo eleitoral, além da disseminação de uma visão racista com relação aos povos indígenas, exigimos retratação pública do site “Ipê Brasília”. 

Subscrevem esta nota, o(a)s técnica(o)s-administrativa(o)s: 

Claudia Regina Nunes Renault – DIV/DAC

Brenda Oliveira Kelly – DEAC/DAC

Alessandra D'Aqui Velloso – DIV/DAC

Aline Lepinsk Romio e Silva CPCE/UnBTV

Edicarlos Gomes de Sousa - EPR/FT

Fabiana Oliveira Machado - DEX

Jackson Raymundo  - DPG

Jessica Gillian

Juliângela Damaso – DTE

Katia Rejane Liberal Silva - CAES

Lucia Maria Evangelista - HUB

Marcia Abreu da Silva

Morgana Rodrigues Ribeiro – IL

Rigeldo Lima/HUB

Silvano da Silva Pereira, Parque Científico e Tecnológico, PCTec

Susana Xavier -  DIV/DAC

Thayse Natalia Cantanhede  Santos - BCE

Valdeci da Silva Reis - PRC

Valmor Pazos - FAU

Wilson Ramos Samarcos - PRC


Claudia Regina Nunes Renault e Brenda Oliveira Kelly    Contactar o autor da petição

Assine esta Petição

Ao assinar, eu autorizo Claudia Regina Nunes Renault e Brenda Oliveira Kelly a entregar a minha assinatura àqueles que têm poder nesta matéria.


OU

Irá receber um email com uma ligação para confirmar a sua assinatura. Para se assegurar de que recebe os nossos emails, por favor, adicione o info@peticao.online à sua lista de contactos ou à lista de remetentes seguros.

Tenha em atenção que não pode confirmar a sua assinatura respondendo a esta mensagem.




Publicidade Paga

Anunciaremos esta petição a 3000 pessoas.

Saber mais...

Facebook